quarta-feira, maio 12, 2010

Obras da Gasmig avançam

João Monlevade - A Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig) caminha para o fim das obras da segunda etapa do gasoduto do Vale do Aço. A previsão é de que a rede de distribuição entre Belo Oriente e Santana do Paraíso seja inaugurada no próximo mês. No entanto, questões relacionadas à revenda de Gás Natural Veicular (GNV) em Monlevade ainda são incertas.
    O fornecimento do gasoduto deverá ocorrer no mês de julho. As obras do lote 2, que integram a região de Monlevade já estão em fase final. A previsão de conclusão será no dia 15 de junho.
    Para início de fornecimento do gasoduto, a Gasmig aguarda licença de operação que será expedida pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente. A rede terá 280 quilômetros de extensão com capacidade de 2,5 milhões de metros cúbicos por dia.
    Em Monlevade, por enquanto, apenas a ArcelorMittal em tem garantias de receber o gás natural. A siderúrgica é considera a principal cliente da Gasmig com estimativa de consumo inicial de 250 m³ diários para atender as unidades de Monlevade e Timóteo (antiga Acesita).
    Já o fornecimento de Gás Natural Veicular (GNV) nos postos de combustíveis ainda é incerto. A Gasmig alega que avalia a viabilidade para atender os estabelecimentos. "As negociações permanecem em fase de definição", informa a Companhia.
    De acordo com a Assessoria de Comunicação da Gasmig o problema é com relação à distância entre a rede de distribuição e os postos de combustíveis. Por conta disso, a companhia realiza estudos de viabilidade de investimentos necessários em ramificação.



GNV
    O Posto Gira-Sol, localizado na rua Siderúrgica, no bairro Centro Industrial poderá ser beneficiado devido à proximidade da rede que irá abastecer a ArcelorMittal. Uma possibilidade para atender demais postos de combustíveis seria a comercialização do produto através de cilindros. Neste caso, o GNV é resfriado e submetido a processo de redução de volume para que seja transportado através de carretas.

Mais sobre o gasoduto

    A segunda etapa do gasoduto do Vale do Aço, entre Belo Oriente e Santana do Paraíso, deve ser inaugurada neste mês pelo governador Antonio Anastasia, embora não tenha ainda licença ambiental e autorização da Agência Nacional do Petróleo (ANP). A rede de distribuição de gás natural terá 280 quilômetros de extensão e uma capacidade de transporte de 2,5 milhões de metros cúbicos por dia.
    Principal obra do plano de expansão da Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig), o empreendimento consumiu cerca de R$ 700 milhões. Segundo a empresa, as obras de instalação dos tubos terminam neste mês. O fornecimento, porém, só deve acontecer entre junho e julho. "Mas a Gasmig vai fazer o máximo de esforço para que o fornecimento seja iniciado o mais rápido possível", garantiu a companhia. Cerca de 15 contratos de fornecimento já foram fechados. A principal cliente é a ArcelorMittal que prevê um consumo inicial de 250 m³/dia em suas duas unidades: João Monlevade (antiga Belgo) e Timóteo (ex-Acesita).
    Já a Cenibra, produtora de celulose, está investindo cerca de US$ 2,4 milhões em queimadores de gás e no sistema de controle. A expectativa é que em julho sejam concluídas as adaptações dos fornos de cal, que passarão a consumir o gás natural em substituição ao óleo combustível. Outro cliente é a produtora de tubos de aço sem costura Vallourec & Sumitomo Tubos do Brasil (VSB).
    Segundo a Gasmig, o acordo para o fornecimento de gás para a Usiminas, em Ipatinga, ainda está em negociação e prevê o fornecimento de cerca de 900 mil m³ por mês, estando entre os quatro maiores contratos da Gasmig na região. O presidente da siderúrgica, Wilson Brumer, disse na última segunda-feira que o combustível também deve fazer parte do projeto Santana do Paraíso, uma usina com capacidade de produção de 5 milhões de toneladas de aço bruto por ano. O projeto ainda será analisado pelo conselho de administração em agosto.
    A rede parte da derivação do gasoduto de transporte Rio-Belo Horizonte, no município de São Brás do Suaçuí. Na primeira etapa, concluída em 2006, foram construídos 53 quilômetros de duto entre São Brás do Suaçuí e Ouro Branco, atendendo também a Conselheiro Lafaiete, Congonhas, Ouro Branco e parte de Ouro Preto.

  Caminho
   Cidades. O gasoduto passará por Belo Oriente, Ouro Preto, Mariana, Alvinópolis, Rio Piracica- ba, João Monlevade, Bela Vista de Minas, Nova Era, Antônio Dias, Juaguaraçu, Timóteo, Coronel Fabri- ciano Ipatinga e Santana do Paraíso.

ArcelorMittal
    O uso do gás natural, em substituição ao GLP, na usina da ArcelorMittal, em Timóteo, vai garantir uma economia de custos operacionais da ordem de 30%, segundo a Combustol, empresa contratada pela fabricante de aço plano inoxidável para construção do sistema. A montagem em campo das tubulações que estão sendo fabricadas para a substituição parcial do combustível dos equipamentos da ArcelorMittal começou no início deste ano.
    O plano de segurança desenvolvido pela Combustol para o projeto de adequação dos equipamentos foi aprovado em novembro do ano passado. Segundo a empresa, como parte do plano, foram realizados cursos, palestras e treinamentos específicos para cada área de atividade relacionada ao trabalho desenvolvido para a ArcelorMittal.
    “A implantação do gás natural e de seu sistema de controle, desenvolvido pela Combustol, proporcionará redução no custo operacional da usina", afirma Paulo Adolfo Dietziker, gerente comercial de Petroquímica da Combustol. (ZM)
Fonte: Cidademais/ O Tempo

1 Comentário:

feitoramaral disse...

Bom dia, sou inspetor de Dutos Terrestres, sou tambem encarregador de Dutos, se alguem poder mim ajuda estou desenpregado no momento viajo prá qualque luga no Brasil, fico grato contato feitoramaral@hotmail.com,71-36013422ou71-92337947

Postar um comentário